quarta-feira, 15 de agosto de 2007

Novos estados brasileiros. Esse é o modo certo de levar desenvolvimento?

Há alguns anos tem rolado um projeto de lei que prevê a criação de novos estados. O número varia muito, mas vai de 6 a 18. Para os idealizadores, esse é um meio de levar desenvolvimento para mais áreas do país. Mas será que não tem outro meio de se levar mais desenvolvimento para essas áreas?
Para começar, a criação de novos estados sairá muito cara. Para começar, deve-se montar um novo governo, com nova capital, novo governador e vice, deputados estaduais e federais, senadores, tribunais de conta, ministérios públicos, assembléias legislativas e secretarias de governo. Segundo a revista Istoé Dinheiro o custo para isso será de, no mínimo, 20 bilhões de reais. Além desse custo, cada parlamentar custa para os cofres públicos 11.545 reais por minuto trabalhado. Se fossem criados novos estados, o gasto com parlamentares seria muito maior que já é atualmente.
Além dos motivos financeiros, há ainda a questão histórica e de identidade com o estado de origem. Tomemos como exemplo um cidadão do Triângulo Mineiro, uma das áreas que querem transformar em novo estado. A pessoa nasceu e cresceu mineiro e, de repente será cidadão de outro estado?
Se a questão é trazer mais desenvolvimento à essas regiões, mais prudente seria o investimento dessa grana toda que pretendem gastar na redivisão do país em infra-estrutura. Dividir os estados é uma atitude radical e cara demais.

Lucas C. Silva

Um comentário:

mario jorge disse...

É claro que a criação de novos estados não é a solução para nada, veja o caso do Distrito Federal (DF), é a menor unidade da federação, não é dividido em cidades, logo não tem prefeitos, tem apenas governador, alguns setores como : polícia militar, corpo de bombeiros militar, polícia civil são pagos com verba do governo federal, o governador so faz mandar neles. Lembrando que o DF tem a maior renda per capita do país, ainda assim vc vê tudo de ruim que tem em nos outros estados, violência, falta de escola, saúde precária, falta de saneamento básico, até agreção ao meio ambiente. Então não é o tamanho da unidade federativa que vai resolver. O problema é estrutural . Votemos melhor nas próximas eleições, pra vereador e pra prefeito. E daqui a dois anos pra deputados estaduais e federais, senadores, governador e presidente.
Vamos todos nos unir para um para um Brasil melhor!!!