domingo, 18 de maio de 2008

A cunhada

Jonas estava em seu quarto, no computador. Chegara do colégio, almoçara, e estava ali atirando em nazistas ou roubando carros numa cidade virtual na hora que sua mãe entrou no quarto e disse:
"Você sabe que eu não gosto desses joguinhos violentos!"
Em resposta, o garoto atirou em outra pessoa e riu.
"Jonas, o Saulo tá demorando pra voltar. Ele por acaso falou alguma coisa com você sobre estar namorando?"
"Ah, mãe, você sabe como meu irmão é, não me conta nada disso." disse Jonas atirando em outra pessoa.
A idéia de o irmão mais novo estar namorando novamente enquanto Jonas ainda estava solteiro o incomodava e o que era apenas uma idéia, tornou-se uma certeza naquela mesma semana. O vazio que Jonas sentia, aumentou muito e chegou ao seu máximo na tarde que Saulo chegou em casa com sua namorada, Emma.
Emma era uma gringa super simpática e se dava muito bem com Jonas. Ele não se importava com a presença da garota e até se divertia com ela, apesar de a solidão bater ainda mais forte em seu peito nesses momentos. O garoto, desde que se decepcionara com Sofia, ficou mais quieto e passou a demonstrar menos seus sentimentos. Atrás do rosto sorridente que seus amigos e família viam, havia uma pessoa triste, que chorava por dentro.
Jonas pensava em Sofia, em Camila e nas outras meninas que amara em sua vida. Se perguntava por que não era ele que estava ali, abraçado a alguém, balançando na rede juntos ou se beijando, como acabara de flagrar Saulo e Emma. Será que ele era tão asqueroso assim para nenhuma menina o querer?
Certo dia, Saulo levou Emma até o ponto de ônibus e, aproveitando a deixa, a mãe dos garotos foi conversar com Jonas, que olhava para fora deprimido.
"Você tá se perguntando por que seu irmão tá namorando e você não, né Jonas?"
"Não" mentiu Jonas engolindo o choro.
Sua mãe lhe disse pra ele não ficar assim, pois um dia ele ia achar a garota certa. Disse que ficar se rebaixando era pior e que ele devia ter paciência, que seu dia ia chegar.
Jonas já ouvira aquele discurso tantas vezes que até o sabia de cor e detestava ouvi-lo. Era muito fácil pedir pra ter paciência quando se está ao lado da pessoa amada. Era muito fácil dizer aquilo quando a pessoa amada não estava com um idiota que não vale a merda que caga. Pedir para ele ter paciência é a mesma coisa que pedir a um faminto prolongar um pouco mais seu jejum.
O tempo passou. Saulo e Emma terminaram seu namoro, mas a amizade continuou, inclusive com Jonas que conheceu - e se decepcionou com - outras garotas. A ele não restou outra opção a não ser esperar. E está esperando até hoje.

Lucas C. Silva

6 comentários:

Antonio † disse...

esperar, esperar,
ninguém merece
:/

Euzer Lopes disse...

Aquele tão sonhado grande amor, tão grande que pode ser infinito mesmo durando apenas uma noite, tão aguardado como a chuva no Nordeste, pode vir avassalador, arrasar tudo. Mas, mesmo assim, é como chuva: sempre aguardado e festejado tão logo caem os primeiros pingos.

Debora Ferreira disse...

aa... ée assim mesmo ! Não tem outro jeito a não ser esperar.. pe a DURA realidade ! Ou então tirar isso de vez da cabeeça... esse siim é um bom conselho, vaai por mim ;))

Lomyne disse...

Nossa, via de regra essas crises são mais comuns a mulheres eu acho... E no fundo a gente sempre quer achar um cara que também tenha suas crises...

Jeff McFly disse...

Iji...
Coitado d jonas. MAs eu concordo.
O pior de tudo é a famosa frase: "seu dia vai chegar".

Afff. nunguem merece!

Everaldo Ygor disse...

Olá...
A vida e a estrada ensinando sempre, e inspirando a escrita de textos sobre encontros e desencontros, na eterna busca pelo Amor... São crônicas dos dias e reais, que um dia em nossas vidas, passamos por isso...
Abraços
Everaldo Ygor
http://outrasandancas.blogspot.com/