quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

O segredo para voar

O avião já se encontrava na altitude exata, a porta estava aberta, o chão lá embaixo e eu, sem pensar duas vezes, saltei no infinito. A gravidade começou a me puxar cada vez mais rápido, a medida que o chão se aproximava. Era para ser um salto normal, não fosse um pequenino detalhe: eu estava sem paraquedas.

Sim, saltei do avião sem paraquedas. O chão ainda estava distante, mas se aproximava cada vez mais rápido. O impacto seria doloroso e, muito provavelmente, me mataria. Mas, sabe duma coisa? Eu não estava preocupado. O frio na barriga, a adrenalina da queda eram mais fortes que qualquer preocupação. O prazer da queda era maior que a certeza da morte.


Feliz, despreocupado, querendo aproveitar o máximo possível daquele sentimento vertiginoso, fechei os olhos. O chão ia chegar, eu ia me arrebentar em um milhão de pedaços, mas pouco importava. Fechei os olhos, mergulhei de cabeça e fiquei esperando o chão chegar.

Esperei, esperei, esperei... Não era possível! O chão já deveria ter chegado, mas ele não veio. Ou será que veio, eu já morri e nem percebi? Não. estou vivo, posso sentir, mas o que aconteceu? Abro os olhos e descubro o que está acontecendo: estou voando!

O senso comum diz que uma pessoa voar sem uma máquina preparada para isso é impossível. E é por isso que as pessoas caem e morrem. Elas não acreditam no "impossível". Elas simplesmente dizem que voar é algo distante do ser humano, mesmo que estejam voando. E, a quando pensam que o que estão fazendo é impossível, a coisa realmente passa a ser.

É por isso que eu digo: Continue acreditando no "impossível". Continue acreditando que você pode voar. Enquanto você tiver esse pensamento, o voo continuará acontecendo. Mas, a partir do momento em que você abrir os olhos no meio das nuvens e não acreditar que aquilo é possível, você cai.

E às vezes, leva alguém junto de você na queda.

Ah, a ideia apresentada aqui de como voar, não tirei da minha cabeça, mas da série O Guia do Mochileiro das Galáxias, que recomendo a todos vocês!

Lucas C. Silva

4 comentários:

Nice disse...

Que lindo. Um daqueles textos que te faz pensar na vida. Quem é o autor desse livro? Deu vontade de ler ;) ah, e parabéns pelo blog!

Everaldo Vilela disse...

Cara!!! A sensação é essa mesmo! Eu saltei de um avião, mas estava com um instrutor e um paraquedas. Mas a sensação é exatamente essa: voar. Sempre digo que foi uma das sensações mais incríveis da minha vida. Desde então me pego olhando para o céu e lembrando.
Inesquecível.

Rayssa Marinho. disse...

e como num salto livre , me senti sem chão e preenchida de vida

Bruna disse...

vc transpira lirismo e sentimento em seus textos, Lucas.

E nós nos deliciamos!

:)