quinta-feira, 13 de setembro de 2007

O Galo e o Apito Inimigo

O erro de Simon é terrível, mas não isolado. A conspiração dos homens de preto (ou de amarelo) contra o Atlético Mineiro vem de muito longe...


Sabem por que o Galo não ganha nada importante desde 1971? É só a gente dar uma espiada no que ocorreu em 1977, 1980, 1981, 1985 e agora, naquela quinta-feira, no Maracanã, nos instantes finais de Botafogo 2 x 1 Atlético, pela Copa do Brasil. E não é que Carlos Eugênio Simon ainda almeja seu tricampeonato mundial do apito em três copas seguidas? Sem chances, depois de mais uma lambança, ao não ter dado aquele pênalti escandaloso de Alex em Tchô. Uma Vergonha! Até liguei para o Simon, na manhã seguinte. Atendeu-me muito bem como sempre, educado, honesto e culto que é. Ora, ele, agora como presidente do Sindicato dos Árbitros do Rio Grande do Sul, lançou o jornal Na Marca da Cal e eu, solicitado, até lhe dei uma pequena contribuição. Mas quem está agora na "marca da cal" é o próprio Simon.
Só que Oscar Roberto Godói, ex-Fifa e hoje jornalista, sustenta que erro interestadual a favor de time carioca... melhora (!!!) o currículo e o prestígio junto à CBF. Pode? Não sei, mas, coincidentemente ou não, José de Assis Aragão foi para a Fifa logo depois de sua polêmica - ou desastrada? - arbitragem de Flamengo 3 x 2 Galo, no Maracanã, na decisão do Brasileiro de 1980. E tem mais: em 1985, o Romualdo Arppi Filho não validou um gol legal de Reinaldo na semifinal contra o Coxa, no Mineirão. Em 1997, Wilson de Souza Mendonça anulou um gol e deixou de marcar dois pênaltis também em jogo de semifinal contra o Palmeiras, em BH. E José Roberto Wright naquele Flamengo x Atlético pela Libertadores de 1981? Só faltou expulsar o Tiradentes e o Aleijadinho. E com mais um pouco de tempo de jogo ele colocaria igualmente na rua Juscelino Kubitschek, Magalhães Pinto e Aécio Neves.
Já em 1977, o STJD suspendeu o rei Reinaldo justamente na semana da decisão com o São Paulo, desengavetando um processo contra o artilheiro daquele Brasileiro. Processo que dormia em berço esplêndido havia séculos no Rio. Esperaram a hora certinha e mutilaram o melhor time de 1977. Reinaldo tinha sido expulso 1000 rodadas antes e só foi "julgado" quando São Paulo e Rio de Janeiro, o "eixo do mal", assim resolveram. Aliás, você já viu time carioca ou paulista perder uma dividida nos bastidores para equipes gaúchas, mineiras, cearenses ou catarinenses?
Simon é reto, errou feio sim, mas não é desonesto. Enfim, mais uma vez, o Galo foi depenado pelo apito e sua reclamação pode ter sido exagerada, sim, mas por um único motivo: trata-se de uma raiva acumulada desde 1977. E, curiosamente, neste país só se erra, em momentos cruciais, contra o Clube Atlético Mineiro, literalmente o time mais "roubado" da história do futebol do Brasil!

Milton Neves - Revista Placar edição 1307, Junho 2007, pág 48

Um comentário:

Solitário disse...

somente nós atleticanos sabemos a dor de sermos assaltados dentro dos gramados... parabéns pelo blog.