quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Guia rápido de identificação de aviões

Não sei quem sabe, mas comecei nessa semana o curso de comissário de bordo. Se as coisas derem (muito) certo, nos próximos anos, estarei voando por aí, realizando o sonho de trabalhar na aviação. Hoje, voltando pra casa, duas colegas do curso me perguntaram se eu sei quais aviões voam nas companhias aéreas brasileiras. Ao invés de enviar essa informação só pra elas, num email ou numa mensagem no Facebook, decidi montar uma postagem aqui no blog, pra ajudar também outras pessoas que estejam estudando pra entrar na aviação ou tenha apenas curiosidade mesmo.

Não sou o maior especialista em aviões. Vou aqui compartilhar um básico, baseado na minha experiência fotografando aeronaves e com algumas informações de fontes na internet. Não quero fazer um texto muito acadêmico. Vou tentar ser o mais exato possível nas informações, mas esse aqui é um guia pra leigos identificarem aviões. Logo, vou usar uma linguagem bem coloquial, como esse blog sempre foi!

De todo modo, comentários e correções são bem vindas!

Começando pelas principais companhias aéreas nacionais.

ATUALIZAÇÃO DE 7 DE JANEIRO DE 2016
Algumas das aeronaves daqui já não voam mais. Para não perder essas informações, vou destacar no modelo delas que não estão mais voando. Também acrescentei o Airbus A350 da TAM e o ATR 72 da Flyways, a nova companhia aérea brasileira.

Também é legal dar uma olhada nesse vídeo do blog Aviões e Músicas, no qual o Lito explica as diferenças entre os Boeing e Airbus.


Avianca Brasil

Ela já foi a Ocean Air, mas foi incorporada pela Avianca, adotando aqui no Brasil o mesmo nome. Opera em muito menos cidades que as concorrentes, mas tem um serviço de bordo bem legal, além de entretenimento a bordo bem completo, com TV, videogame, música e tal. Voa com diversos modelos de Airbus, além dos Fokker, que estão sendo aposentados.

Airbus A318
(Foto: Lucas Conrado)
Parece um avião de brinquedo. Ele é tão alto quanto os A319 e A320, mas é bem curtinho (31 metros). Leva 120 passageiros. Você pode identificá-lo por causa dessa "desproporcionalidade". Como é curtinho, a cauda deve ser mais alta, para manter a controlabilidade caso um dos motores falhem.

Airbus A319
(Foto: Lucas Conrado)
Pouco mais comprido que o A318 (33 metros), o A319 também leva mais passageiros (132). Confundia muito ele com o A320, mas me deram uma dica: os A319 que voam no Brasil têm apenas uma saída de emergência sobre as asas. A maioria dos A319 não tem um sharklet (inclinação para cima na ponta das asas que diminui o gasto de combustível) como os Embraer ou os Boeing.

Airbus A320
A320 com os sharklets e com as pontas de asas tradicionais (Foto: Lucas Conrado)
Ele tem 37 metros de comprimento e leva 162 passageiros. Se diferencia do A319 porque, além de mais comprido, tem duas saídas de emergência sobre as asas. A maioria dos A320 não têm um sharklets. Mas as empresas estão começando a colocar essa modificação nas asas, para economizar combustível.

É comum confundir o A319 e A320 com o Boeing 737. Mas tem algumas diferenças. A parte da frente dos Airbus é mais arredondada. E a cauda dele tem uma leve curva e sobe "direto". Já a cauda do 737 tem uma "entortadinha", como vocês verão mais abaixo.

Fokker 100 (MK 28) - ESSE MODELO NÃO VOA MAIS
(Foto: Lucas Conrado)
Por causa de acidentes que aconteceram nos anos 1990, a Avianca decidiu renomear o Fokker 100. O jato holandês passou a ser chamado de Fokker MK 28. Enfim, ele está sendo aposentado, então é cada vez mais raro ver os F-100 voando por aí. Mas é um avião bem diferente dos outros comerciais usados no Brasil. Os motores ficam presos à fuselagem, na parte de trás da aeronave. Os estabilizadores horizontais ("asas" traseiras, em bom português), ficam no alto da cauda. É um jato holandês, de 35 metros e que leva até 100 passageiros.


Azul

A Azul surgiu como uma companhia aérea regional, logo, utilizava apenas aviões com autonomia menor, tipo o Embraer 190, Embraer 195 e os ATR 42 e 72. Atualmente, estão voando para os Estados Unidos, então compraram um avião maior, o Airbus A330. Nos próximos anos, vão comprar diversos Airbus A320 (você vai ver mais abaixo, na Avianca e TAM) e A350 (esse, pouquíssimas empresas aéreas têm).

Airbus A330
(Foto: Lucas Conrado)
É o maior avião da Azul. Aeronave grande (59m) e que carrega até 273 passageiros. Você pode identificá-lo pelos winglets (dobras na ponta das asas), inclinados. Eles ficam na diagonal e são mais longos que os do Boeing 767, aeronave parecida com o A330.

ATR 42 - ESSE MODELO NÃO VOA MAIS
(Foto: Gabriel de Almeida Araújo)
Turboélice francês, é provavelmente o menor avião da frota da Azul (22,7m). Carrega 50 passageiros e é usado em voos regionais. O ATR-42 tem asas altas e os estabilizadores horizontais (as "asas" traseiras, em bom português) ficam no alto da cauda. E ele é bem mais curtinho que o irmão ATR-72.

ATR-72
(Foto: Lucas Conrado)
Outro turboélice francês, que se parece bastante com o ATR-42. Mas é bem mais comprido (27m) e transporta até 72 passageiros (será que vem daí o nome do avião?). Comparando com o 42, o ATR-72 parece bem mais "magro".

Embraer 175 - ESSE MODELO NÃO VOA MAIS
(Foto: Maurício Alves/GYN Online)
A Azul tem apenas três E175, acredito que vieram da Trip. É um jato brasileiro, bimotor e um pouco mais comprido que o ATR-72 (ele mede 31 metros). Leva até 82 passageiros e faz voos de curtas distâncias. É mais curto que os Embraer 190/195, que virão logo abaixo.

Embraer 190/195
(Foto: Lucas Conrado)
É meio difícil ver a diferença entre o Embraer 190 e o 195. O E190 mede 36 metros e carrega até 106 passageiros, enquanto o 195 mede 38 metros e carrega até 114 passageiros. São jatos bimotores, mais baixinhos e estreitos que os Boeings e Airbus da TAM, Avianca e Gol. Detalhe: nem todo Embraer da Azul é branco e azul. Eles têm aviões cinza, verde, rosa, todo azul e amarelo, além daqueles com a pintura da Trip.

Flyways

A mais nova companhia aérea brasileira aposta na aviação regional, tão popular nas décadas passadas, mas que ficou em segundo plano na década de 2000. Utilizando ATR-72, a companhia liga o aeroporto da Pampulha (Belo Horizonte) ao Galeão e diversas cidades do interior de Minas Gerais. Pelo que li, a Flyways deve expandir suas rotas para o interior do Rio de Janeiro, além de Brasília e Bahia.

ATR 72
(Foto: Lucas Conrado)

Gol

Das empresas aéreas brasileiras, que transportam passageiros, a Gol é a única a utilizar os Boeing 737. E esse é o único modelo que ela usa atualmente. Então, não tem erro, viu um avião da Gol, viu um Boeing 737. A Gol opera o 737 em duas variantes, o 700 e o 800.

Como falei lá em cima, repare a cauda do 737. Ela começa a subir num ângulo menor e, no meio, quebra para o ângulo que vai até o final. Na ponta das asas, pode ter ou não os winglets.

Boeing 737-700
737-700 sem os Winglets (Foto: Lucas Conrado)
É o avião mais curtinho da Gol (33 metros). Por ser mais curto que o 800, mas com o mesmo diâmetro e altura, ele parece um avião mais gordinho. Você também pode ver que o avião é o 700 porque ele tem apenas uma saída de emergência sobre a asa. O 700 leva entre 138 passageiros e sua tripulação (simples) pode contar com apenas três comissários.

Boeing 737-800
737-800 da Gol, com as pinturas antiga e nova (Fotos: Lucas Conrado)
Visivelmente mais comprido que o 737-700 (39,5 metros), o Boeing 737-800 parece bem mais esbelto. Ele chega a levar 179 passageiros e sua tripulação (simples) conta com quatro comissários.


Passaredo

Empresa regional brasileira, opera apenas um modelo de avião, o ATR-72. A base dela é em Ribeirão Preto, mas opera em diversos aeroportos de todo o Brasil.

ATR-72
(Foto: Lucas Conrado)


TAM

A TAM opera com a maior variedade de aeronaves no Brasil, usando os Airbus A319, A320, A321, A330 (este último está sendo vendido para a Turkish) e o moderníssimo A350, além dos Boeing 767 e 777. Recentemente, se fundiu com a chilena LAN e, nos próximos anos, vai deixar de existir com as cores e o nome atual.

Airbus A319
(Foto: Lucas Conrado)

Airbus A320
(Foto: Lucas Conrado)

Airbus A321
A321 com sharklets (Foto: Lucas Conrado)
Maior dos aviões da família A320 (44,5 metros), o Airbus A321 é caracterizado pelas quatro portas de cada lado, sendo duas a frente das asas e duas atrás. A aeronave, que carrega até 220 passageiros, tem um perfil muito mais esbelto e, tal qual seus irmãos menores pode ter ou não os sharklets na ponta das asas.

Airbus A330
(Foto: Lucas Conrado)

Airbus A350
(Foto: Lucas Conrado)
Uma das aeronaves mais modernas do mundo, o Airbus A350 conta com um visual bem diferente dos outros aviões. A frente da aeronave é bem mais curta que das outras (repare como ela "desce" de uma vez). A cauda também é mais fina e arredondada. Os sharklets/winglets são curvos, assim como as janelas do cockpit.

Boeing 767
(Foto: Lucas Conrado)
A princípio, o Boeing 767 se parece muito com o A330, mas há algumas diferenças. Para começar, o Airbus tem quatro portas em cada lado. O 767, tem apenas duas, além das duas saídas de emergência sobre as asas. A cauda do 767 é mais fina e a raiz da asa (isso é, onde a asa encontra a fuselagem) não tem a protuberância que o A330 tem, como vocês podem ver acima. O Boeing 767 é um avião grande (54 metros) e pode levar até 221 passageiros. É usado em voos longos nacionais (como São Paulo - Manaus) e internacionais.

Boeing 777
(Foto: Stormer43)
Com seus 63 metros, o Boeing 777 é o maior avião de passageiros operado por uma empresa aérea brasileira e está entre os maiores do mundo. Os triplo 7 da TAM chegam a transportar 363 passageiros em um voo. É caracterizado pelos motores imensos (eles têm o diametro da cabine de passageiros de um Boeing 737) e pelos trens de pouso principais com 3 eixos.

@OLucasConrado

5 comentários:

Airton Silva disse...

Os meus olhos vão primeiro sempre para os para-brisas para diferenciar o B737 do A320, cujos vidros laterais são bem diferentes.
E para identificar sem erros o B767 olho para o cone de cauda por causa daquela queda da fuselagem para baixo no sentido da traseira na raiz da deriva.

Chanël Chanël disse...

Muito bom! Obrigado.

Camila Braga disse...

Excelente!!!

Camila Braga disse...

Excelente!

B. disse...

Uma correção: o 737-800 da GOL leva 177 passageiros e não 179.

Ótimo texto!